O Desvio Coletivo é uma rede de criadores em cena teatral contemporânea que atua na zona de fronteira entre o teatro, a performance e a intervenção urbana. Através da criação de espetáculos e intervenções cênicas em diferentes espaços urbanos desenvolve ações que geram ilhas de desordem efêmeras de natureza crítica.

Desde 2011, o grupo pesquisa a criação cênica colaborativa, tendo em vista a experimentação de diferentes modalidades de participação sensorial, dialógica e criativa do espectador, o deslocando do seu papel convencional, seja como ator, co-criador do discurso cênico ou como integrante de uma atmosfera de imersão psicofísica.
 

Direção Artística: Marcos Bulhões e Priscilla Toscano Direção de Produção: Leandro Brasilio e Marie Auip Administração Financeira: Marie Auip Assessoria Jurídica: Leandro Brasilio Performers: Leandro Brasilio, Marcos Bulhões, Marie Auip e Priscilla Toscano Designer: Le Geek Creative Studio Pesquisa Acadêmica: Parceria Institucional: Laboratório de Práticas Performativas da USP e Teatro da USP

 

LEANDRO BRASÍLIO
Especialista em Gestão de Projetos Culturais pelo Centro de Estudos Latino Americanos sobre Cultura e Comunicação da ECA/USP. Diretor de Produção (DRT 5349 /SP). Advogado com ênfase na área cultural (OAB/SP n. 337.631). É artista do Desvio Coletivo (SP) grupo que atua na zona de fronteira entre arte urbana, performance arte e artes visuais que com a performance urbana CEGOS participou do programa Palco Giratório do Sesc, foi contemplado pelo Prêmio Myriam Muniz de Teatro da Funarte, além de representar o Brasil em festivais e eventos América do Sul, América do Norte, Europa, África e Ásia, dentre os quais: Festival D’Aurillac (França), Ansan Street Arts Festival (Coréia do Sul), Georgetown Festival (Malásia), Mindelact (Cabo Verde), Festival de Dança de Londrina (Paraná), Virada Cultural (São Paulo), World Stage Design (Taiwan), Imaginarius – Festival Internacional de  Teatro de Rua de Santa Maria da Feira (Portugal), Cena Contemporânea – Festival Internacional de Teatro de Brasília, Festivale – Festival Nacional de Teatro do Vale do Paraíba (São Paulo), Festival Aldeia do Velho Chico (Pernambuco). Também produz a intervenção urbana Matrimônios, realizada em São Paulo, em Santiago (Chile) durante o Encuentro 2016 / Hemispheric Instituto de Performance e Política da Universidade de Nova York, e em Curitiba/PR, na Mostra Teatro de Segunda, realizada em parceria com o Festival de Curitiba. Em 2018 foi assistente de produção na exposição “Diário de Cheiros: Teto de Vidro”, para o Museu de Arte Contemporânea (MAC/USP) em São Paulo, da artista Josely Carvalho, considerada uma das 120 mulheres latino-americanas radicais pelo Hammer Museum, Los Angeles, além de ter feito parte da equipe de coordenação e produção do Imaginários Urbanos, Festival de Performance Urbana do Ceará, realizada na cidade de Fortaleza. 

marcos.png

MARCOS BULHÕES
Diretor, ator, professor e pesquisador de Teatro e Performance, estuda abordagens de criação e aprendizagem da cena contemporânea. Realizou estágios em Teatro do Movimento na Alemanha e em Dramaturgia no Institut del Teatre de Barcelona além de mestrado e doutorado em Artes Cênicas pela USP. Participou do Teatro da Vertigem (1999) e estagiou no Teatro Oficina (2003), em São Paulo. Em Natal, dirigiu e atuou em diversos espetáculos e performances recebendo prêmios em festivais de teatro e coordenou durante 10 anos o Laboratório de Encenação Teatral da UFRN. É um dos diretores artísticos do Desvio Coletivo, grupo de teatro e performance sediado em São Paulo, onde desenvolve as suas pesquisas acadêmicas “Coralidades Performativas” e “Intervenção Urbana Brasileira” desde 2011.  É autor do livro “Encenação em Jogo” e da tese “Dramaturgia em Jogo”. Desde 2009 é professor da área de Direção e Performance do Departamento de Artes Cênicas da USP.

priscilla.png

PRISCILA TOSCANO
Priscilla Toscano. Diretora, performer, atriz, arte educadora e pesquisadora em cena contemporânea e intervenção performativa. Mestranda em Teoria e Prática do Teatro pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo – USP com a pesquisa: Performance, Corpo e Espaço Público – abordagens metodológicas para mulheres artivistas. Licenciada em Artes/Teatro pelo Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho – UNESP. Realizou um semestre da graduação no curso de História da Arte em intercâmbio na Universidade de Santiago de Compostela, Espanha, por meio do convênio bilateral entre as instituições. É uma das fundadoras e diretoras do Desvio Coletivo, estando a frente dos principais trabalhos do coletivo: as performances Cegos e Matrimônios. Durante sete anos também dirigiu o Coletivo PI, Performance e Intervenção, grupo que criou em 2009 e encerrou suas atividades em 2016, tendo destaque os trabalhos: ENTRE SALTOS (Prêmio Funarte Mulheres nas Artes Visuais 2013) e NA CASA DE PAULO (Prêmio Funarte Artes na Rua 2011). Também dedica sua criação aos trabalhos solos em performance e intervenção urbana discutindo questões relativas a gênero e ao corpo da mulher no espaço público. Participou de diversas mesas e seminários sobre arte e feminismo: Cultura e Empoderamento Feminino, 2014 (Centro de Pesquisa e Formação do Sesc);  Artivismo e Gênero: Performance e Feminismo, 2016 (TUSP); Performance e Teatro: criações, fronteiras e a mulher em cena, 2016 (Centro Centro de Culturas Negras do Jabaquara); Mulheres na Performance Urbana, 2016 (Teatro Flávio Império); Performance e Corpo, 2016 (Seminário Conexões em Performance – ECA/USP). Ministrou oficinas de teatro, performance e intervenção urbana em diversas instituições e festivais internacionais como, Festival de Aurillac 2018 - França, George Town Festival 2018 – Malásia, Ansan Street Art Festival 2018, Coréia do Sul 2018, World Stage Design 2017 – Taipei, Taiwan, Zurich University of the Arts 2017 - Suiça, Festival Imaginarius 2017 – Santa Maria da Feira, Portugal, ARTA Atelie Formations de L’acteu, 2014 -  Paris, Institut del Teatre da Universidade de Barcelona, 2014. Atuou como organizadora e palestrante do curso de extensão universitária Experimentos em Performance II na UNESP em parceria com o Laboratório de Práticas Performativas da USP. Foi Orientadora Artística de Teatro no Programa Vocacional da Secretaria Municipal de Cultura da Cidade de São Paulo. Lecionou Teatro na OCA - Oficina Corpo e Arte e em escolas de ensino formal (Escola Movimento, Escola Projeto Vida e em escolas da SME de São Paulo).

marie.png

MARIE AUIP
Produtora, performer e pesquisadora. Especializada em Gestão de Projetos Culturais pelo CELACC (USP). Atualmente cursa o mestrado no Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da Universidade de São Paulo. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em produção cultural, performance e intervenção urbana. Possui como foco de pesquisa os processos criativos contemporâneos na arte relacional e participativa, seus dispositivos e metodologias. Natural de Fortaleza(CE), integra desde 2010 o EmFoco Grupo de Teatro, grupo cearense premiado pelo Porto Iracema (IACC), Circulação da Petrobrás e Secretária de Cultura de Fortaleza. Ministrou aulas de teatro no Centro de Referência de Assistência Social pelo projeto “Farol da Memória” para crianças moradoras do bairro Vicente Pinzon (Serviluz).  Em São Paulo, integrou a apresentação “Mapa Corpo/rativo” do grupo La Pocha Nostra. Funda o Ogiva ação.imagem, realizando ações na Mostra Sesc Cariri 2015, Sesc Santana (SP), Mostra Convergências 2015 do Sesc Tocantins e Movimenta|Galeria Mezanino (SP). É integrante do Desvio Coletivo  desde 2014, exercendo funções de produtora e performer das obras; “CEGOS”, “Matrimônios”, “Que Morram os artistas”, participando do Circuito SESC Palco Giratório, Virada Cultural (SP), Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz, Festival de Dança de Londrina (PR), Cena Contemporânea (DF), Festivale (SP), Xº Encuentro Hemispheric (CHILE), Exposição Máquina Tadeusz Kantor (SP), Festival Imaginarius (Santa Maria da Feira – Portugal), Zurich University of Arts, World Stage Design (Taipei, Taiwan), Ansan Street Arts Festival (Ansan, Coréia do Sul), Festival d’Aurillac (Aurillac, França) e George Town Festival (Penang, Malásia). Atualmente é coordenadora do Imaginários Urbanos – Festival de Performance Urbana do Ceará: e integra a equipe de circulação da obra CEGOS, produzindo, performando e conduzindo oficina junto ao grupo Desvio Coletivo e atua em parceria com o Laboratório de Práticas Performativas da USP, sendo a última intervenção urbana realizada no X Congresso da ABRACE em Natal (RN).

Parceiros